sexta-feira, 29 de março de 2013

A falta que um Hulk faz



Ponto prévio: O futebol é um desporto colectivo que vive de rasgos individuais, detalhes e pormenores oriundos de inspirações momentâneas que por vezes dão títulos. Os exemplos são vastos por essa Europa fora, os campeões, as grandes equipas, têm sempre a sua estrela, um grupo de desequilibradores e um mestre nessa arte, acima dos outros, aperfeiçoando o colectivo da equipa e oferecendo-lhe um suporte extra, que vai carregar e levar a equipa quando as adversidades a impedirem de chegar à vitória.


Nas fases mais decisivas da época, quando o rendimento é afectado seja por desgaste fisico seja por desgaste psicológico, os colectivos tendem a quebrar, em certas fases da época o futebol da equipa tende a ficar mais pobre e nesses momentos as equipas perdem pontos. Em Portugal temos agora o exemplo do FC Porto, que tem quebrado, e sim, também quebrou na época passada, mas com a diferença de que na época transacta havia Hulk na invicta, jogador que ajudou a resolver muitos jogos.

Na época actual James não revela ainda a enorme capacidade do brasileiro e Jackson que tantos jogos tem resolvido como ponta-de-lança, não escapou ao lote de jogadores em quebra na fase de aperto. Aliás durante o decorrer da época, o FC Porto com um plantel curto e com poucos craques na arte de desequilibrar no último terço de terreno, teve como ponto forte o colectivo, que segundo muitos ficou mais forte sem Hulk e com Jackson a ser o homem-golo, e o mais decisivo neste caso. O problema é que quando a equipa quebra, o rendimento do ponta-de-lança tende quase sempre a ser também afectado. No caso de ser um Hulk, não forçosamente.

O colombiano já fez mais do que seria de prever na sua primeira época em Portugal, mas no entanto parece, e demonstra, ainda estar a cerca de 60% das suas capacidades. O estofo em momentos de grande decisão e inclusive os niveis de confiança(grandes penalidades falhadas, por exemplo) ainda não estão no ponto.
Um jogador que “ganhe” jogos sozinho não existe neste momento na invicta e por muito que seja consensual que o futebol é um desporto colectivo, os grandes truques individuais e a capacidade de carregar a equipa às costas quando ela mais precisa, são indispensáveis numa equipa que quer titulos. A falta que um Hulk faz...

Texto da autoria de João Soares

1 comentário(s):

Miguel disse...

Claramente um dos problemas do FCP que não tem as soluções ofensivas do Benfica e depende muito de jogadores como Jackson e Moutinho, mas com o Hulk neste plantel eramos campeões!

29 de março de 2013 às 16:54

Enviar um comentário

 
DUPLO PIVOT | by TNB ©2010